jusbrasil.com.br
4 de Abril de 2020

Você não precisa ter medo de trabalhar de casa ou à distância

10 coisas que aprendemos sobre trabalho remoto no Jusbrasil que podem ajudar você e sua empresa a saírem da quarentena mais fortes do que entraram.

Daniel Murta, Advogado
Publicado por Daniel Murta
há 11 dias

Quase 3 meses após o primeiro caso de COVID-19 (Novo Coronavírus) ser identificado em humanos, na cidade de Wuhan, na China, a sociedade segue em mobilização global para tentar atrasar o contágio e dar aos serviços de saúde fôlego para tratar os doentes graves. A ordem é distanciamento social e quarentena. Muita coisa mudou, quase da noite para o dia, entre elas a forma como trabalhamos.

Trabalhar de casa e à distância é a realidade desse momento. Para algumas poucas empresas e autônomos que, como nós do Jusbrasil, já tinham prática com trabalho remoto, esse cenário não representa grande desafio. Porém para a maioria das empresas do mundo, ainda pouco experimentadas com trabalho distribuído, trabalhar dessa forma acrescenta muita ansiedade em um copo já transbordando. (Foto: iStock)

Com mercados derretendo, receita despencando e empregos ameaçados, trabalhar de casa surge como obstáculo à coordenação e produção das empresas, logo em um momento onde o que mais precisamos é não parar — é entregar mais e melhor nossos trabalhos para tentar amenizar e reverter o cenário de recessão o quanto antes.

A boa notícia é que é sim possível aproveitar o trabalho de casa e o trabalho à distância para sermos mais produtivos como pessoas e empresas. Nesse artigo vamos compartilhar um pouco do que descobrimos em 10 anos de trabalho distribuído no Jusbrasil, e dar algumas dicas para tornar essa adaptação mais rápida e fácil.

O Jusbrasil e o Trabalho Distribuído

O Jus esteve entre as primeira empresas no Brasil a fechar seus escritórios em apoio ao distanciamento social. Como elaboramos em outro artigo, acreditamos que em crises de expansão exponencial a hora de agir é quando ainda parece cedo. Mas é fato que, como uma empresa que vem investindo forte em cultura de trabalho distribuído há mais de 10 anos, essa decisão foi menos difícil para nós do que deve estar sendo para a maioria.

Somos uma empresa de trabalho distribuído. Hoje, nosso time de 202 colaboradores se espalha por dois países e 27 cidades. Contamos com 5 escritórios (chamamos nossos escritórios de Hubs) — Salvador, São Paulo, Belo Horizonte, Manaus e Lisboa.

Não há um grupo de trabalho sequer no Jus que não tenha colaboradores em cidades diferentes. Isso obriga todos a trabalharem em ambiente remoto, mesmo quando estão no escritório. Não há obrigação de horário nem de presença. Somos orientados a produção, não a horas de trabalho. Nossos hubs funcionam como salas de co-working — todos têm acesso 24/7; vai quem quer, quando quer. Hubs são ambientes de concentração: todos podem usar mesas rotativas nos salões — espaços amplos que funcionam como bibliotecas. Para trabalho colaborativo temos diversos aquários temáticos espalhados pelos escritórios, todos equipados para videoconferência, de modo que colaboradores em trabalho remoto possam sempre unir-se àqueles que estão nos hubs.

Em nossas salas, colaboradores contam com salões (fotos superiores) — ambientes onde silêncio e não interrupção são a norma; e com aquários e cabines com isolamento acústico (fotos inferiores) onde podemos nos reunir e colaborar sem atrapalhar quem está se concentrando nos salões.

No Jus, as pessoas escolhem os seus horários e de onde trabalhar. Os hubs ficam à disposição mas não é obrigatório frequentá-los. Servem também de ponto de encontro presencial — os times possuem orçamento para gerenciar encontros físicos dos seus colaboradores de tempos em tempos.

Reuniões são agendadas e feitas por videoconferência. As mais importantes são gravadas e publicadas para toda a empresa. Toda comunicação é transparente e feita por aplicativo de mensagem de texto. Assim, todos têm liberdade de gerenciar sua própria produtividade. Não estar em um escritório ou fisicamente perto ao seu time - ou ao seu líder - não significa perda de contexto ou de decisão.

Printscreen de videoconferência da última sexta feira. Nesse "All-Hands", já com todos acessando remotamente de suas casas devido à quarentena, a diretoria apresentou o plano de contingência da empresa diante da recessão COVID-19. Todos puderam colocar seu nome na fila, fazer suas perguntas e considerações. O evento foi gravado para que aqueles que não puderam participar pudessem assisti-lo posteriormente.

Nossa cultura de trabalho distribuído é algo que estamos construindo há tempo, por vontade própria, e não por força de uma crise. Fazemos porque acreditamos que empresas assim são mais competitivas:

    • Por terem acesso ampliado a talentos (Talent Pool), não se limitando à geografia para contratar;
    • Por serem mais atraentes— liberdade e respeito é o que pessoas responsáveis e de alto impacto mais valorizam;
    • Por criarem ambiente propício a alta produtividade — menos tempo em trânsito, menos interrupção e mais flexibilidade de horários permitem às pessoas fazerem agendas que protejam sua produtividade máxima;
    • Por terem menor custo de operação dada uma menor necessidade/complexidade de estrutura física;
    • Por serem um ambiente de mais felicidade, repleto de pessoas que usam a flexibilidade para balancear melhor vida pessoal, trabalho e saúde e sentem-se mais realizadas e completas.

    Aproveitando a crise para fortalecer sua cultura de trabalho

    Agora o distanciamento social está aí, obrigando muitos a lidarem com trabalho à distância. Vamos compartilhar alguns princípios, constatações e cuidados que fazem nosso trabalho distribuído funcionar no Jusbrasil. Bem sabemos que cultura não se faz da noite para o dia mas esperamos tornar essa adaptação menos desafiadora para você e, quem sabe até, ajudá-lo a ampliar os limites de sua cultura de trabalho para que, mesmo após o fim da crise, possa olhar para trás e concluir: saímos dela fortalecidos, como pessoa e empresa. Esperamos que esse momento tão peculiar da nossa história sirva de trampolim para que tenha um ambiente de trabalho mais produtivo e saudável daqui para frente.

    1) Ambiente de trabalho costuma ser uma fábrica de interrupções

    Pesquisadores da Universidade da California descobriram que em um escritório típico as pessoas são interrompidas por colegas de trabalho a cada 3 minutos e 5 segundos. Você já deve ter sentido que rendeu mais naquele dia que ficou trabalhando de casa, não? A verdade é que os escritórios e a forma como nos comunicamos neles não foram desenhados para proteger nosso trabalho e entrega — ao contrário, estão mais próximos de ser obstáculos à nossa produtividade. Segundo Jonathan Spira, autor de "Overload!", uma pessoa interrompida em seu trabalho leva em média 23 minutos e 15 segundos para retomar seu raciocínio e produtividade. Agora multiplique isso por interrupções generalizadas a cada 3 minutos e veja como estamos deixando trabalho na mesa. O isolamento é uma barreira física à interrupção. Aproveite essa proteção e tornem-se você, seu time e sua empresa, mais produtivos.

    2) Foco leva à inovação

    Interrupções não só atrasam as nossas entregas habituais, mas por vezes impedem nossas melhores ideias de nascer. Sabe aquela atividade em que ficamos tão concentrados que nem percebemos o tempo passar, e quando menos esperamos já anoiteceu? A psicologia chama esse estado de "flow" — nosso cérebro está tão envolvido no que estamos fazendo que nem sequer monitoramos o tempo. Pois bem, é em flow que temos nossa maior produtividade e nossas melhores ideias. É aí que a magia acontece. O problema é que não é fácil chegar a tal nível de concentração e, uma vez interrompidos nele, largas são as chances de não retomarmos. Se tarefas operacionais podem ser muito mais produtivas com foco, a inovação depende dele — e épocas de crise (assim como as de grande crescimento) demandam inovação.

    Einstein sentava-se sozinho em seu apartamento, isolado do mundo, por dias, para conjecturar equações com centenas de variáveis na cabeça, antes de passá-las para o papel. Talvez não existisse Teoria da Relatividade em nosso vocabulário se ele tivesse sido obrigado a passar seus dias em um ambiente onde fosse interrompido a cada 3 minutos, como a maioria das empresas ainda fazem com seus funcionários. (Foto: Getty Images)

    3) Comunicação assíncrona é muito mais eficiente

    Acabamos de falar sobre o perigo da interrupção em série para nossas carreiras e para o sucesso de nossas empresas. A interrupção usa como veículo a comunicação bloqueante — aquela que exige resposta ou interação imediata. Quando batemos no ombro de alguém no escritório para perguntar algo, ou telefonamos para alguém, impomos, sem nenhum respeito à concentração alheia, que a pessoa pare tudo que está fazendo para nos atender. Isso é comunicação bloqueante. Ao contrário dela, quando permitimos que a pessoa possa nos responder no momento mais adequado para si, estamos nos comunicando assincronamente. A comunicação assíncrona é o que permite que as pessoas possam construir suas zonas máximas de produtividade e é algo que pode alavancar a entrega dos times e da empresa exponencialmente.

    4) Assíncrono é mais fácil do que parece

    Você talvez não perceba, mas já faz maior parte de sua comunicação de forma assíncrona. Quando mandamos uma mensagem de WhatsApp para alguém, sabemos que essa pessoa irá responder quando puder e que seremos notificados quando isso ocorrer. Hoje todos já planejamos uma viagem ou churrasco da turma em um grupo de WhatsApp; já discutimos temas do mais importantes e às vezes até urgentes nesses grupos, isso sem prejuízo do andamento da discussão, e sem desrespeitar o tempo de cada um. Por que não podemos fazer isso com o nosso trabalho? Sei que ficamos ansiosos em, diante de um assunto de trabalho, não sermos respondidos na hora. Mas façamos uma reflexão: de todas as vezes que interrompemos algum colega de trabalho, quantas eram mesmo necessárias ou não podiam esperar? Na nossa experiência no Jus, raros são os casos onde o benefício da interrupção supera o malefício de destruir a produtividade alheia. E para esses poucos casos urgentes, sempre poderemos contar com o telefone ou com o tapinha no ombro.

    5) Uma nova era de comunicação textual

    Esqueça e-mail, pelo menos para se comunicar internamente na empresa. Apesar de veículo de comunicação assíncrona, hoje já há uma infinidade de ferramentas mais eficientes. No Jus usamos o Slack, um aplicativo que permite organizar nossa comunicação em salas, orientadas a temas da empresa, ou times - algo como criarmos vários grupos de WhatsApp diferentes, um para cada setor ou assunto importante da empresa. No Slack, essas salas podem ser públicas (todos da empresa podem entrar e participar) ou privadas (apenas para convidados). É possível notificar pessoas para que sejam alertadas a dar atenção às discussões que estão surgindo nos canais. O Slack permite não apenas organizar melhor a discussão e proteger comunicação assíncrona e eficiente, mas também ajuda a deixar contexto e decisão transparentes, de modo que a distância física não seja um problema para as evoluções de carreira ou para o alinhamento com a visão da empresa.

    Em nosso Slack nos comunicamos de forma organizada e transparente. As pessoas são notificadas quando mencionadas e podem colaborar de forma assíncrona.

    6) Precisamos mesmo de tantas reuniões?

    Você já teve ter tido dias ou até semanas onde sentiu-se frustado com a impressão de que passou de uma reunião para outra e não teve tempo para colocar mãos à massa em suas tarefas e estudos. Por nossa experiência, grande parte das reuniões podem ser substituídas por discussões em grupo usando mensagem de texto. Planeje melhor sua agenda, marque reuniões regulares no calendário de modo que possa balancear tempo de reunião vs tempo de mãos à obra. Seja mais ativo em permitir que as pessoas possam gerenciar melhor seu próprio tempo e expandir suas produtividades.

    Costumávamos fazer no Jusbrasil um "Directors Weekly": toda Segunda-Feira, nós diretores nos reuníamos, em horário fixo, para alinhar nossos trabalhos. Hoje, fazemos isso por Slack - em um canal específico para alinhamento do time cada diretor posta as suas principais entregas da semana anterior (Highlights), e as expectativas dessa semana que começa (Expectations). O que antes era uma reunião que bloqueava todos os diretores, toda Segunda-Feira, agora funciona melhor com comunicação assíncrona — todos contribuem em tempo hábil, ao longo do dia, sem prejuízo para suas agendas pessoais, e ainda deixam seus trabalhos documentados e transparentes para toda a empresa.

    7) Videoconferência é mais legal do que você imagina

    Escolha um bom aplicativo de videoconferência para suas reuniões. No Jus, usamos o Zoom. Hoje, com cada vez mais ferramentas e com popularização contínua da internet, a experiência de vídeo call avança rápido. O Zoom por exemplo, permite dividir tela, assumir o cursor, gravar a reunião, gerenciar fila de participação, entre diversas outras funcionalidades legais. O mais interessante é que, para que uma reunião por vídeo funcione, precisamos de alguns cuidados e conduta que são difíceis de manter em reuniões presenciais — é preciso que cada um respeite a vez do outro falar, e que se evite conversas paralelas. Então, como saldo, reuniões remotas tendem a ser mais organizadas, produtivas e elegantes que aquelas feitas presencialmente. Isso tanto é verdade que, no Jus, em momentos de reunião, mesmo quando estamos todos presentes em um mesmo escritório, frequentemente optamos por nos reunir por videoconferência, cada um de seu computador.

    Última “Product Check Point Meeting”. Nela o conselho diretor de produto se atualiza, discute prioridades, alinhamentos e patrocínio para os times. Assim como essa reunião, 99% das reuniões deliberativas do Jusbrasil são gravadas e publicadas em nossos canais do Slack para que contexto esteja acessível a todos, independentemente de onde trabalham ou vivem, e a qualquer momento.

    8) Horas de cadeira na frente do chefe não significam resultado

    Como garantem que a empresa não está perdendo produtividade com o trabalho distribuído? Como garantem que os colaboradores não fazem “corpo mole” ou trabalham menos já que não tem ninguém olhando?

    Essa pergunta surge sempre que falamos em trabalho distribuído. Já parou para se perguntar porque as empresas gerenciam seus colaboradores por hora trabalhada e não por trabalho entregue? Talvez porque seja mais fácil contar horas do que medir entrega. Costumamos confundir gestão com controle; e controle com ilusão de controle. Ilusão porque, ter as pessoas sentadas à sua vista não garante que elas estão produzindo bem. Lembro-me de tantos e tantos colegas nas empresas onde trabalhei que passavam o dia no escritório jogando paciência no computador (revelei minha idade aqui). O fato é que, diante da insegurança em gerirmos entrega, acabamos por obrigar as pessoas a renderem menos. Empresas precisam da entrega das pessoas; não de seus tempos. Concentre-se no primeiro; e permita que todos possam usar o segundo como alavanca de produtividade.

    9) Repensando a relação de trabalho

    Pessoas altamente motivadas, apaixonadas pelo que fazem, compromissadas com suas carreiras e com a empresa em que trabalham precisam mesmo de alguém checando a cada instante se, e quando, estão trabalhando? Assumir que uma pessoa vai entregar menos se não estiver sendo "vigiada" denuncia uma relação de trabalho pautada pela desconfiança. Ao contrário, nos Jus, confiança é valor essencial. Na nossa perspectiva, quando alguém rende mal diante da liberdade do trabalho distribuído, não entendemos que precisamos aumentar a vigilância sobre ele; apenas que não é a pessoa certa para a empresa. Entendemos que se tratarmos pessoas como crianças não poderemos esperar que estas se comportem como adultos. E não abrimos mão de um ambiente onde as pessoas responsáveis tenham a liberdade que merecem. Então considere ir além: não só procure focar em entregas e produção, mas também…

    • Procure por Culture Fit — a certeza que as pessoas do seu time se encaixam nos valores, comportamento e objetivos de sua empresa
    • Se importe com Dependability — Pergunte-se: posso depender do meu colega para entregar o que meu time precisa, quando precisa, de olhos fechados? Se a resposta for sim, ele está no lugar certo.

    10) Seja o exemplo que quer dos seus colegas

    A cultura da empresa é a moda da cultura das pessoas da empresa. Não adianta levantar a bandeira de não interrupção, por exemplo, e seguir interrompendo colegas, como se seu tempo fosse sempre mais importante que o deles. E essa responsabilidade é 100 vezes maior se estiver em posição de liderança. As pessoas terão dificuldade de dizer ao chefe algo como: "não percebe que está me desconcentrando, e isso pode esperar". Isso é verdade para todos itens dessa lista, e para tudo que quisermos evoluir em nossa cultura. Ou temos mais pessoas apoiando a mudança, ou a resistência a torna impossível. Estar mais preparado para funcionar à distância, para fazer liberdade se transformar em mais produtividade, para ter um ambiente de alto respeito à responsabilidade, e de maior qualidade de vida e balanço, requer muita disciplina e chega a ser uma questão de fé — as coisas não funcionam de primeira, e é preciso acreditar sem ver, até que o milagre se materialize. É preciso sermos o exemplo persistente do que queremos construir. Dá trabalho mas, na nossa experiência no Jus, tem valido muito à pena.

    Espera um pouco! E quem disse que consigo me concentrar em casa?

    É fato que, para maioria das pessoas, o ambiente de trabalho não é um bom lugar para se concentrar e trabalhar bem. Mas muitos também não têm em casa um ambiente adequado para tal. Tanto entendemos isso que, como falamos antes, os hubs do Jus são desenhados como refúgio de concentração para aqueles que não possuem um ambiente protetivo à sua produtividade fora dele. Agora então, em épocas de quarentena, trabalhar de casa torna-se um desafio ainda maior para muitos.

    Se você, assim como eu, tem filhos, sabe do que estou falando. É possível que de casa estejamos sujeitos a interrupções ainda mais frequentes do que os 3 minutos e 15 segundos das empresas. A boa notícia é que, as mesmas técnicas que usamos nos hubs do Jus para torná-los ambientes de concentração podem funcionar em casa também. Então vão aqui algumas sugestões:

    • Defina espaços. Nem todos terão em casa escritórios reservados ou um cômodo para cada pessoa; mapear espaços da casa pode ajudar a que todos possam ter um cantinho para trabalhar e se concentrar. Se possível defina ambientes de silêncio.
    • Faço uso da flexibilidade de horários. Não precisamos todos trabalhar nos mesmos horários. Na falta de espaço, um rodízio de horários pode ajudar.
    • Defina limites. Trabalhar de casa pode ser estressante — a falta de uma fronteira clara entre trabalho e casa pode tornar difícil balancear seu tempo e atenção. Crie essa fronteira. Isso torna-se ainda mais urgente se tiver filhos.

    No meu caso, separei um cômodo da casa como meu escritório. Porta fechada significa que estou no Jus, não adianta bater. Meus filhos rapidamente perceberam que, assim como quando estou em um hub, a forma mais eficiente de falar comigo, em horário de trabalho, é por WhatsApp. Acima, Nuno, meu mais novo (10 anos), mandando-me mensagem do quarto ao lado :-)

    Disciplina e criatividade é o que faz com que os hubs do Jus sejam ambientes de concentração. Faça experimentos em sua casa - é certo que há muito a se fazer de melhor para sua concentração. E cuidado para não cobrar-se demais - Haverá quem não consiga ter ambiente para produzir bem em época de quarentena. Se for o caso, alinhe com seu time as expectativas: divida suas dificuldades e apele para a solidariedade — épocas de crise demandam isso. Estudos mostram que times que deixam as pessoas à vontade em dividir suas dificuldades e que mostram solidariedade estão entre aqueles que mais performam. Aproveite esse momento difícil para construir os laços que deixarão seu time mais forte.

    Mergulhando mais fundo no trabalho distribuído

    Se quiser ler mais sobre o assunto:

    • Do Zero ao Distribuído é um artigo interno do Jusbrasil. Ele está entre os primeiros documentos de cultura que uma pessoa lê ao entrar para o time. Nele é possível conhecer em detalhes nossa cultura de trabalho distribuído e os pilares que fazem ela funcionar.
    • Em Uma espiadinha dentro do Jusbrasil é possível conhecer um pouco mais do nosso funcionamento. Lê-lo pode ajudar a visualizar alguns aspectos práticos do nosso trabalho distribuído.
    • Entre as empresas que mais nos inspiraram a buscar uma cultura de trabalho distribuído, a mais notável foi a 37 Signals. Seus fundadores, o Jason Fried e o David Heinemeier, são também autores de uma série de livros onde detalham o racional e os métodos da cultura de trabalho de sua empresa. Recomendamos a leitura de todos seus livros, mas um particularmente é muito congruente ao momento que estamos vivendo e ao que discutimos nesse artigo: Remote — Escritório para Quê?

    Palavras Finais

    Já parou para pensar que a maioria dos ambientes de trabalho de hoje ainda se baseiam em verdades de 30 anos atrás? Se pudéssemos pegar uma máquina do tempo e visitar uma empresa do passado nos assustaríamos com o quão similar essa experiência seria àquelas que observamos hoje.

    Isso não é estranho? Será que as mesmas conclusões e formatos do passado ainda fazem sentido hoje? São conclusões de uma época onde: ter um telefone em casa custava-nos o preço de um terreno; onde até as ficções cientificas mais futuristas não podiam prever o telefone celular e apostavam em rádios embutidos em relógios de pulso; onde comunicar-se com o estrangeiro só era viável por carta; onde a ideia de um computador como item pessoal parecia utópico; e ainda mais impensável era smartphones nas mãos de todas as pessoas do mundo; uma época sem internet, sem redes sociais! 100% das verdades que nos fazem temer trabalhar à distância foram construídas nesse passado.

    Não tenham medo de desafiar essas verdades! Não tenham medo de trabalhar à distância ou de casa. Estejam na fronteira. Aproveitem a crise do Novo Coronavírus como um divisor de águas. Porque se preocupar com "não perder muita produtividade em época de quarentena" quando podemos "nos tornar mais produtivos do que nunca"? Vamos mirar alto ;-)


    Bom pessoal, sou Daniel Murta. No Jus me chamam de "Coxa". Ajudei a fundar o Jus, e hoje cuido de sua operação como COO. Estarei atento aos comentários e tentarei responder a todos, sem exceção, com a maior brevidade que conseguir. Dúvidas, críticas, sugestões?  Podem mandar; sem meias palavras. Abraços!

    17 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

    Daniel,

    muito massa as explicações, parabéns.

    Eu utilizo o Jus como ferramenta de trabalho a distância há aproximadamente cinco anos. No começo não tinha nem escritório físico, só com o Jus, um bom plano de telefonia e internet.

    Hoje em dia, após milhares de atendimentos, tenho pontos de atendimento físico em três capitais, que visitamos somente caso algum cliente queira ser atendido presencialmente.

    Atualmente, atuo em 21 estado e no DF, principalmente utilizando o EO e indicações de outros clientes. Consigo dar vazão somente com o Whatsapp, zoom e demais ferramentas.

    Obrigado JusBrasil, eu amo você! continuar lendo

    Olá Paulo,

    Que bom que gostou do artigo.

    Muito legal o seu comentário - certamente motivará muitos advogados. As pessoas tendem a olhar com desconfiança para trabalho distribuido. Já ouvi muitos dizerem algo como: "isso só funciona em startup" ou "nunca vai funcionar em um escritório de advocacia". Não vejo nenhum empecilho a que essa cultura permeei escritórios ou empresas de qualquer área. Fico muito feliz em ler seu comentário. Keep UP!

    Quanto às palavras de carinho ao Jusbrasil, acabei de retransmitir seu comentário ao time aqui. Fique certo que ficarão todos felizes e ainda mais motivados em fazer um Jus melhor ;-) continuar lendo

    Excelente artigo, Daniel! Eu também estou enxergando essa crise e a necessidade de isolamento como você colocou, um divisor de águas e uma oportunidade de nos desvincularmos dos velhos conceitos e passarmos para uma nova era, sem fronteiras, trocando tempo por resultado e físico por remoto. Isso implica em liberdade e qualidade de vida. Advogo desde 2001 em uma cidade do interior de Minas Gerais e há tempos venho observando que ao continuarmos apegados ao tradicional - e arcaico - modo de trabalhar, estamos cada vez mais para trás da realidade e tendência do mundo atual, o que se aplica integralmente ao cenário jurídico. continuar lendo

    Sim Sérgio. Se no cenário de Startups de tecnologia a cultura de trabalho distribuído ainda está no início, imagino que no mundo do direito isso seja ainda mais tabu. Fico super feliz que esteja atendo e animado em desafiar esses limites. Se puder ajudar, estou por aqui. continuar lendo

    Que texto legal, Daniel!

    Também sou um entusiasta do trabalho remoto!

    Trabalhei dois anos e meio em um escritório de advocacia tradicional e acontecia sempre de terminar minhas tarefas e ficar "matando tempo" esperando o alinhamento dos ponteiros às 18h.

    Trabalhando em casa termino minhas tarefas e dedico meu tempo a algo útil pra mim.

    É um jeito mais produtivo de viver e trabalhar, com certeza!

    Abraços! continuar lendo

    Estamos juntos Pedro! Abraços. continuar lendo

    Adorei Daniel! Vou ler mais vezes, devo dizer que chegou num bom momento esse vírus esta mexendo muito comigo, é como se as janelas e portas trocassem de lugar e não sei mas se hoje é hoje, isso é meio louco. Estou presa com a chave da porta na mão, eu já tinha lido de como as pessoas se sentiam durante o período de guerra, como se não houvesse amanhã e isso mexe com o seu produtivo.De repente não quero produzir. É ai seu texto chega como um mapa. Obrigada continuar lendo

    Olá Ivanil. Que bom que gostou.

    Sim! Esse aprisionamento mexe com todos nós. Se puder ajudar mais em sua retomada, conte comigo ;-) continuar lendo